Arquivo de Maio, 2013

Superstições – Vento de nordeste

Posted in mitologia on 2013/05/30 by terrasencantadas

penha_garcia2

 

 

 

 

 

Em Faro acreditava-se que o vento de nordeste causava depressão, secava os campos e pegava a raiva aos cães.

Superstições – Protecção contra as trovoadas

Posted in mitologia on 2013/05/28 by terrasencantadas

228

Quando troveja deve queimar-se alecrim e deitar sal no lume.

Em Elvas era hábito durante a ceia de Natal pôr na lareira um pedaço de carvalho e guardar o tição para ser posto no lume durante as trovoadas, porque o fumo desse tição protegia a casa dos raios.

Superstições – Para dissipar o nevoeiro

Posted in mitologia on 2013/05/26 by terrasencantadas

206

 

 

 

 

 

Em Mondim da Beira acreditava-se que se uma velha de nome Maria mostrasse o rabo ao nevoeiro este dissipava-se.

Superstições – Nuvens avermelhadas

Posted in mitologia on 2013/05/24 by terrasencantadas

100

 

 

 

 

Na Maia dizia-se que quando as nuvens se mostravam avermelhadas, ao nascer do sol, anunciavam chuva e quando o mesmo acontecia ao anoitecer era sinal que no dia seguinte estaria sol.

Superstições – As pontas da Lua

Posted in mitologia on 2013/05/22 by terrasencantadas

219

 

 

 

 

 

 

Na Maia dizia-se que quando a Lua nascia com as pontas voltadas para cima anunciava sol, na posição contrária era sinal de chuva.

Superstições – Os piolhos e as feiticeiras III

Posted in mitologia on 2013/05/20 by terrasencantadas

235

Em Melgaço acreditava-se que os piolhos eram lançados pelas feiticeiras. Estas conheciam palavras que ao serem pronunciadas faziam com que uma pessoa ficasse com piolhos. Da mesma forma podiam acabar com os piolhos ao pronunciar outras palavras.

Quando se encontravam piolhos na roupa devia-se virá-la do avesso e escová-la para surgir no tecido a cara da feiticeira que tinha lançado os piolhos.

Superstições – Remoinhos de vento

Posted in mitologia on 2013/05/18 by terrasencantadas

210

 

 

 

 

Quando se forma um remoinho de vento que levanta muito pó, atirando-se-lhe uma faca o remoinho desaparece e surge uma feiticeira.