O sapo

“- Vejo um sapo medonho e grande como um cão, com a pele cheia de escamas.”

Na mitologia portuguesa o sapo surge como uma das representações do mal ou do demónio. Desde o sapo vulgar que se encontra no caminho e que, só por isso, poderá aparecer-nos na cama, durante a noite, e matar-nos, até aos sapos de dimensões monstruosas – como acontece neste excerto de O Monte Sagrado – que surgem frequentemente como guardiões de tesouros amaldiçoados.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: