Arquivo de Julho, 2010

Menir da Rocha dos Namorados

Posted in mitologia, paisagens, património on 2010/07/29 by terrasencantadas

A Rocha dos Namorados, perto de S. Pedro do Corval é um menir que se afasta das linhas fálicas que estes monumentos quase sempre assumem e sugere a forma de um útero. Diz a lenda que este monólito revela o número de anos que faltam para alguém se casar. Para isso a pessoa deverá voltar-se de costas e atirar uma pedra para o topo do menir. Se a pedra não cair a pessoa casar-se-à nesse ano. O número de vezes que a pedra tombar revela os anos que decorrerão até a pessoa se casar.

Montanhas

Posted in cenários, ficções, paisagens on 2010/07/22 by terrasencantadas

“Conforme avançavam para leste iam desaparecendo da paisagem as marcas do confronto entre os deuses. Naquele dia em que o ar estava seco e sem neblina o perfil das montanhas mostrava-se harmonioso e eterno, transmitindo uma sensação de segurança em que os Galaicos tinham dificuldade em acreditar.” [inO Veneno de Ofiúsa”]

Menir dos Almendres

Posted in cenários, paisagens, património on 2010/07/15 by terrasencantadas

“- Os construtores da civilização megalítica – exclamou André, fascinado.

– Foram os primeiros humanos a encontrar a passagem para as Terras Encantadas. Os seus sacerdotes, guardiões de uma sabedoria antiga, aprenderam a usar as forças que as pedras captam e a canalizá-las através da magia. É essa primitiva e forte magia que os torna temíveis. Fizeram algumas expedições para explorar este território desconhecido, quando o descobriram o que aparentava ser um mundo desabitado revelou-se em pouco tempo uma terra cheia de ameaças para as quais não estavam preparados.” [inO Elmo de Cristal”]

Castelo de Monsanto

Posted in cenários, ficções, paisagens on 2010/07/08 by terrasencantadas

“Conforme se aproximavam, as muralhas de Munt Siyun mostravam-se ainda mais majestosas, altas e maciças, apoiadas na sólida couraça de granito que revestia o monte, evidenciando que tinham sido construídas para resistir aos mais violentos assaltos. E mostravam-se também pouco amistosas. A noite escurecia as pedras de que eram feitas e davam-lhe uma aparência sombria. As ameias estavam desertas, como se ninguém as vigiasse, ou como se quem as vigiava estivesse demasiado assustado com o que se passava no exterior, para se mostrar. O mesmo se passava com o aglomerado de casas que existia no interior da cerca de pedra, perto da qual tinham surgido os asinomens.” [inO Monte Sagrado“]

Castelo de Valongo

Posted in cenários, paisagens, património on 2010/07/01 by terrasencantadas

“O castelo erguia-se, incaracteristicamente, no topo de uma elevação quase imperceptível, como se tivesse sido construído com o objectivo de não ser visto, para servir de esconderijo, e estava rodeado de um manto de erva alta e seca. Não se via ninguém. Uma torre larga e alta que se erguia na extremidade direita da muralha mais próxima estava parcialmente derrubada e havia erva nascida entre as pedras das ameias. A pequena porta estava aberta, mas não havia qualquer caminho até ela.” [inO Elmo de Cristal“]