Arquivo de Janeiro, 2009

Mitologia Popular da Galiza – Algumas Sugestões de Leitura

Posted in mitologia on 2009/01/17 by terrasencantadas

Na sequência dos dois textos anteriores deixo algumas sugestões de leitura para quem quiser descobrir a mitologia da Galiza:

  • As Cidades Asolagadas. As Augas e o Alén en Galicia, Antonio Balboa Salgado, Toxosoutos, 2006
  • Cancioneiro Popular Galego, Álvaro de las Casas, Follas Novas, 2005
  • Diccionario de los Seres Míticos Gallegos, Xoán Ramiro Cuba Rodríguez, Xosé Miranda Ruíz, Antonio Reigosa Carreiras, Edicións Xerais de Galicia, 2006
  • El Folklore en los Castros Gallegos, J. M. Gonzalez Reboredo, Universidad de Santiago, 1971
  • Las Leyendas Tradicionales Gallegas, Leandro Carré Alvarellos, Espasa-Calpe, 1983
  • Lendas Galegas de Tradición Oral, J. M. Gonzalez Reboredo, Galaxia, 1983
  • Galicia de Lenda, J. M. Gonzalez Reboredo, Hércules, 2001
  • Guía da Galiza Máxica, Vítor VAQUEIRO, Editorial Galaxia, 1998
  • Historia de Moraña y Tradiciones gallegas, Abilio Folgar Crestar, Imprenta Paredes, 1975
  • Mitos, crenzas e costumes da Raia Seca, José Rodríguez Cruz, António Lourenço Fontes, Ir Indo Edicións, 2005
  • Mouros, serpientes, tesoros y otros encantos, Buenaventura Aparicio Casado, Edicións do Castro, 1999
  • O Carnaval en Galicia, Federico Cocho de Juan, Edicións Xerais de Galicia, 1990
  • Pequena mitoloxía de Galicia, Xoán Ramiro Cuba Rodríguez, Xosé Miranda Ruíz, Antonio Reigosa Carreiras, Edicións Xerais de Galicia, 2001
  • Seres galegos das augas. Mitoloxía comparada, Xoán Xosé TEIJEIRO REY, Toxosoutos, 2002

De acesso mais fácil é o site Galicia Encantada, uma interessante e completa enciclopédia sobre mitologia galega.

Galiza – Algumas crenças e tradições

Posted in mitologia on 2009/01/15 by terrasencantadas

Um dos mitos mais enraizados, na Galiza, é o da Santa Compaña. Em Portugal chamamos-lhe a Procissão dos Defuntos. Teófilo Braga diz que se realiza todos os dias “às trindades”, mas apenas aqueles que “têm uma palavra a menos no baptismo” a podem ver.

O Nubeiro galego encontra correspondência no Secular das Nuvens, entidade que, na mitologia portuguesa, vagueia pelas nuvens, provocando tempestades.

Tal como no nosso país, os castros proliferam nas paisagens galegas e, essas enigmáticas ruínas sempre estimularam a curiosidade popular, não sendo por isso de estranhar que, cá e lá, histórias de tesouros escondidos ou encantados sejam frequentemente localizadas nestes antigos povoados.

Os tesouros são, aliás, um elemento frequente nas lendas portuguesas e galegas. Encantados em castros, poços, antas ou grutas são muitos os tesouros que a tradição assegura esperarem que alguém os vá descobrir. E quem tiver coragem para, no local onde o tesouro está enterrado, ler determinadas passagens do Livro de S. Cipriano (Ciprianillo, na Galiza), o tesouro revelar-se-á, bem como a entidade maligna que o guarda.

Galiza Galicia Galécia

Posted in mitologia on 2009/01/13 by terrasencantadas

Há muitos séculos existiu na Península Ibérica uma nação a que os Romanos chamaram Galécia, devido ao nome do povo que a habitava: os Galaicos. Esta antiga província romana era constituída pela actual Galiza e o pelo território português a norte do rio Douro.

Mas já antes da chegada dos Galaicos a esta região existiam vínculos culturais entre os povos que a ocupavam. Testemunho disso é a expansão, no noroeste da Península Ibérica, de uma cultura megalítica com características similares.

No sul da Península o mítico reino de Tartessos estendia os seus limites até à região oriental do Algarve e, no centro, a Lusitânia chegava até às terras mais ocidentais da Estremadura espanhola.

Após a queda do Império Romano os Visigodos instauraram um reino que ocupava todo o território da Península Ibérica e, depois destes, foi a vez dos Árabes estabelecerem o seu domínio num reino que teve por capital a cidade de Córdova e deixava de fora apenas algumas regiões do norte da Península, que permaneceram ocupadas pelos cristãos.

Deste passado comum nasceram afinidades que se mantiveram até hoje, como é o caso da proximidade que existe entre a mitologia popular portuguesa e as mitologias de várias regiões de Espanha, nomeadamente da Galiza.

Cá como lá abundam as histórias tristes ou sinistras de mouras encantadas, a crença de tesouros escondidos em velhos castros – vestígios arquitectónicos dos nossos antepassados comuns, os Galaicos -, o medo irracional de estranhas assombrações ou as travessuras de Trasgos.

Na Galiza, como em Portugal, se uma galinha cantar como um galo anuncia que o dono vai morrer, também uma coruja a cantar junto a uma casa pressagia que um dos seus habitantes vai morrer.

Entidades da mitologia popular galega como os Nubeiros, a Santa Compaña ou os Trasnos encontram o seu equivalente directo na mitologia portuguesa. Quanto às lendas de mouras encantadas, tal como em Portugal, elas existem por toda a Espanha, ainda que por vezes com nomes diferentes (Xanas nas Astúrias, Mouras na Galiza, etc).